Polícia Federal Intensifica a Fiscalização da Atividade de Segurança Privada

Já faz algum tempo que as notícias relacionadas à Segurança ocupam posição de destaque na mídia. Diariamente, os grandes jornais em circulação trazem uma serie de matérias sobre o tema. Os mais abordados atualmente são arrastões a restaurantes e condomínios, assaltos a shoppings, explosões a caixas eletrônicos e agressões ou brigas envolvendo “equipes de segurança”.

 

Todos esses incidentes são extremamente preocupantes, pois afetam diretamente a forma como a nossa sociedade vive e interage. Como profissional de Segurança Privada, recebo com indignação as notícias relacionadas a agressões envolvendo equipes de seguranças contra clientes de bares, shows e casas noturnas.

 

E como diz o ditado popular que “a arte imita a vida”, fui novamente surpreendido na última quarta-feira, quando a novela “Fina Estampa” da Rede Globo retratou a atuação de uma “equipe de segurança” em um baile.

 

Nessa cena, o personagem Baltazar, (interpretado pelo ator Alexandre Nero) vai atrás da filha em um baile. Enciumado com a dança da menina, ele resolve retira-la a força do local e acaba entrando em atrito com a equipe de segurança. O final da história não é difícil imaginar: o homem é espancado de forma brutal por vários seguranças, que mesmo após os apelos da filha e da esposa, insistem na agressão. Vejam o link:

http://finaestampa.globo.com/Vem-por-ai/noticia/2011/08/baltazar-apanha-de-segurancas-em-baile-funk.html

 

A repercussão negativa que esse tipo de acontecimento gera na sociedade é umas das preocupações que levaram a Coordenação Geral de Controle de Segurança Privada da Polícia Federal a intensificar a fiscalização da atividade em todo o Brasil.

 

Para efeitos de mídia e repercussão pública, a Policia Federal quer demonstrar a toda a sociedade que o segmento de Segurança Privada no Brasil é sério, bem estruturado e que conta com profissionais qualificados ao exercício da função, exatamente o oposto do que foi retratado na novela e do que algumas notícias sugerem. 

 

Outro alvo importante da fiscalização da Polícia Federal é o combate e a repressão às empresas clandestinas, que tanto prejudicam o mercado, com o não recolhimento de impostos e encargos, com a prática de preços inexequíveis e com a utilização de mão de obra informal e desqualificada.

 

Também será intensificada a fiscalização sobre as empresas de Segurança Privada devidamente constituídas e autorizadas, assim como as empresas que ainda contam com o serviço de segurança orgânica.

 

A ação da Polícia Federal é uma excelente notícia para o mercado de Segurança Privada. As empresas sérias e idôneas não têm nada a temer, ao contrário, vão se beneficiar com a consolidação e moralização do segmento. O publico consumidor e a sociedade também saem ganhando, pois terão mais tranquilidade na hora de contratar os serviços e de usufruir dos mesmos quando de forma indireta. E finalmente, para a Polícia Federal, é mais uma oportunidade de consolidar a imagem de seriedade e credibilidade, que levou a opinião pública a reconhecê-la como um dos órgãos mais admirados em toda a estrutura governamental.

Gabriel Ribeiro Tinoco

DSE, ASE, CES é Diretor Financeiro e Comercial do Grupo Muralha. Administrador de Empresas pela PUC-SP. Pós-graduado em Planejamento e Controle Empresarial pela FAAP-SP. MBA em Direção de Segurança Empresarial pela Universidade Comillas de Madrid – Espanha. MBA em Gestão Estratégica de Segurança pela Universidade Anhembi-Morumbi. Master em PNL. Certificado de Especialista em Segurança pela ABSO. Certificado de Analista de Segurança Empresarial pela ABSEG. Diretor de Segurança Privada da ABSEG. Presidente da ASIS Chapter 214 – São Paulo – Brasil. Colunista de jornais e revistas.