GEEST entrevista o Sr. Sidney Tinoco

1-Em sua opinião, quais seriam os 03 maiores problemas do setor de serviços e, se possível, apresente algumas sugestões para resolvê-los.

Sidney Tinoco: Em minha opinião, existem dois grandes problemas no setor, que são:

1 - A Clandestinidade. Hoje as empresas devidamente estabelecidas concorrem com “empresas” clandestinas, que atuam a margem da lei, uma vez que não recolhem impostos e tributos, não registram os funcionários em carteira e prestam serviços totalmente a margem da legislação. É impossível concorrer contra esse tipo de prática, uma vez que essas “empresas” apresentam custos irrisórios, vendendo ilusões e uma falsa sensação de segurança para os clientes, mas que na verdade estão gerando uma maior insegurança na sociedade. Uma das alternativas é aumentar a fiscalização, que no mercado de segurança privada, está a cargo da Polícia Federal. Um das reinvindicações do mercado é que parte das taxas recolhidas pelas empresas de segurança, seja reinvestida por força de lei, no próprio Departamento de Fiscalização de Segurança Privada da Polícia Federal, ampliando o numero de agentes envolvidos diretamente na fiscalização e no combate as “empresas” clandestinas. 

2 – Falta de mão de obra qualificada. Com o aquecimento da economia, muitas vagas de trabalho foram abertas pela indústria, comercio, construção civil e também pelos setores de prestação de serviços. A forte demanda trouxe para o mercado de trabalho uma grande parcela da população, gerando renda e inclusão social. Porém percebemos uma significativa parcela de pessoas sem preparo algum, sem as mínimas condições necessárias para ocupar vagas que vão desde vigilantes e porteiros à auxiliares de limpeza. É um problema sério e estrutural do nosso país, que só será resolvido em longo prazo, com base em investimento maciço em educação fundamental, desde a construção de escolas, a valorização do professor e a melhoria da qualidade do ensino.   
 
2-O Senhor acha que os tomadores de serviços estão sendo criteriosos na seleção de Empresas, e o que poderia sugerir aos mesmos, objetivando evitar dissabores futuros.

Sidney Tinoco: Em parte. Existe uma boa parcela dos tomadores de serviço que contrata de forma consciente seus parceiros comerciais. São criteriosos na escolha, buscam referências de clientes e fornecedores, levantam certidões negativas e analisam a saúde financeira das empresas de prestação de serviço. Porém existe uma grande parcela que ainda negligencia uma série de fatores no momento da contratação em busca única e exclusivamente na redução de custos. Por exemplo: tomadores de serviço contratam empresas que sabidamente praticam escalas irregulares de trabalho, ou que exigem que seus funcionários executem funções além das permitidas em lei e na CCT, mas como é a empresa prestadora de serviço que responde inicialmente de forma subsidiária, elas alegam que dessa forma o risco foi transferido, o que é um ledo engando. Existe a possibilidade do tomador de serviço passar a ser envolvido como responsável solidário, ou seja, respondendo ao mesmo tempo em que o prestador, e se isso acontecer acredito que os contratantes terão, por força da lei, de ser mais cautelosos com a escolha dos seus parceiros comerciais. 
 
3-Qual a receita de sucesso de sua Empresa na FIDELIZAÇÃO de seu cliente interno/externo e quais benefícios e GARANTIAS sua Empresa tem oferecido a estes, e quanto tempo sua empresa atua no segmento.

Sidney Tinoco: O Grupo Muralha atua há 21 anos no mercado de Facilities (limpeza e conservação, portaria, recepção, etc..) e de Segurança Privada. Nosso conceito de sucesso vem com o estabelecimento de parcerias duradouras com clientes, fornecedores e funcionários. Para manter tais parcerias por longos períodos é necessário ser ético e transparente. A prestação de serviços começa na venda, onde o comercial só pode vender aquilo que é possível ser desenvolvido, cortando nesse primeiro momento escalas irregulares ou desvios de função. A adoção de boas práticas de mercado, como políticas diferencias de benefícios, plano de carreiras e gestão de qualidade, fidelizam, motivam e comprometem os funcionários que estão prestando serviço na ponta, dentro do cliente, e esse sente a diferença na prestação de serviço contratado. O investimento em treinamento deve ser constante e obrigatório, pois a prestação de serviços é feita por pessoas, que precisam ser capacitadas constantemente.
 
4-O Senhor, teria mais algumas informações que julgue relevantes para a entrevista.

Sidney Tinoco: Gostaria de agradecer o convite para esta entrevista e dizer que o segmento de prestação de serviços está avançando, crescendo e se consolidando como um dos setores de maior importância para a econômica brasileira, responsável por uma importante fatia do PIB e pela geração de milhares de empregos diretos e indiretos. A luta de todos que trabalham nesse segmento é pela valorização e reconhecimento da atividade, com a criação de um ambiente produtivo mais justo e eficiente, com uma legislação mais moderna, aliada a diminuição da burocracia e da redução da carga tributária.

Gabriel Ribeiro Tinoco

DSE, ASE, CES é Diretor Financeiro e Comercial do Grupo Muralha. Administrador de Empresas pela PUC-SP. Pós-graduado em Planejamento e Controle Empresarial pela FAAP-SP. MBA em Direção de Segurança Empresarial pela Universidade Comillas de Madrid – Espanha. MBA em Gestão Estratégica de Segurança pela Universidade Anhembi-Morumbi. Master em PNL. Certificado de Especialista em Segurança pela ABSO. Certificado de Analista de Segurança Empresarial pela ABSEG. Diretor de Segurança Privada da ABSEG. Presidente da ASIS Chapter 214 – São Paulo – Brasil. Colunista de jornais e revistas.